O avesso da pele

8 Mar

A imagem que me ocorre quando penso no livro que acabo de ler “Americanah“, da escritora nigeriana Chimamanda Ngozi é o prisma que refrata a luz em matizes de cores diferentes em todas as direções. A luz branca que vem é negritude ou a questão racial, de pele, de raiz, de pertencimento, de busca. A história contada pela protagonista Ifemelu, uma então adolescente de Lagos, Nigéria e sua saga percorrendo o mundo em busca de escolhas. No percurso e no fundo uma história de amor muito, muito bem desenhada e contada. A protagonista é daquelas que depois do segundo capítulo já é uma pessoa que você deseja ser, sabe como? Inteligente, afiada, resolvida, sensível na medida, crítica, suscetível, complexa, altiva, direta e a lista segue.

Quem sabe Ifemelu não é um eco da própria autora do livro? Muitas vezes pensei isso. Conheci Chimamanda por sua famosa TED-talk sobre feminismo. E ela é magnetica, linda e desejosa. Ifemelu também. E vamos com ela até a América para descobrir o irônico fato de que apenas ao pisar em um país onde raça e exclusão formam uma equação e que a maioria da população não é negra ela sente necessidade de refletir, de dar voz ao paradigma do racismo. Em uma passagem do livro, quando volta à Nigéria a protagonista diz algo assim: quando cheguei a Lagos não quis mais escrever meu blog sobre racismo, na Nigéria não me senti negra.

Quando vai para os Estados Unidos Ifemelu deixa para trás o amor, na pessoa de Obinze, o homem perfeito-imperfeito. Culto, filho da classe média que imigra para a Inglaterra e ambos, em uma vivência distinta lançam sobre o prisma a luz que refrata as matizes do imigrante no primeiro mundo, do negro no quintal dos brancos, do racismo, da xenofobia.

Americanah é tão sensível e tão franco quanto eu leitora jamais imaginaria. Na voz de sua protagonista as partes do livro vão se encaixando e ela é levada de volta à Nigéria após anos de amores, prosperidade e sucesso para encontrar-se com o fim de seu destino: será Obinze? Como Chimamanda é boa !! Eu logo estava enchendo o livro de orelhas e marcando trechos à lapis. Americanah é um compilado de quatro partes de uma história só: amor, continente e raça. É um livro sobre ser mulher no mundo de hoje, sobre ser homem no mundo de hoje. É uma história de amor maravilhosa. Daquelas que você torce para os personagens, pensa neles durante o trabalho, imagina o que eles farão agora.

Não sei de onde vem essa citação do homem que precisa dar a volta ao mundo para encontrar a própria aldeia mas é esta a história de Ifemelu e Obinze. Pessoas que, grávidas de sonhos, filhas de um país dividido migram e emigram para encontrar o que estava ao lado, ou do lado avesso.

Anúncios

2 Respostas to “O avesso da pele”

  1. Marília Paiva Março 8, 2015 às 9:14 pm #

    Belíssima resenha (?), me encantou a ler o livro, que já comprei e está no meu kindle, esperando um tempinho, mas que tenho certeza que me dará um tempo maravilhoso de leitura, prazer e reflexão!

  2. Vivian Teixeira (@vivian_teixeira) Março 9, 2015 às 2:49 pm #

    Também me encantou, Andreza. Quero muito conhecer esses personagens. Já está na lista dos próximos livros!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: